A nova escravatura III – Brasil: A vida à beira do precipício

Setembro às 7:18 pm | Publicado em cativeiro, denúncia, escravatura, exploração, miséria, sofrimento, violência | 1 Comentário

Kevin Bales
Gente descartável
Lisboa, Editorial Caminho, 2001

(excertos)

Brasil: A vida à beira do precipício

A nova escravatura floresce onde as antigas regras, os antigos modos de vida são destruídos. A tão publicitada destruição da floresta tropical e o resto do denso interior do Brasil cria o caos também para as pessoas que vivem e trabalham naquela região. Grande parte da escravatura no Brasil nasce desse caos social. Pensemos na maneira como uma grave inundação ou um tremor de terra podem destruir o saneamento e espalhar as doenças. Mesmo nos países mais modernos, quando um desastre natural ou de origem humana destrói o sistema de abastecimento de água e os esgotos, doenças mortais como a disenteria ou a cólera podem alastrar e afectar a população. Do mesmo modo, a destruição do meio ambiente e o desastre económico podem levar uma sociedade ao colapso — e a doença da escravatura pode crescer sobre os seus destroços.

Mas a destruição nunca é estável; nenhum lugar ou povo desliza para o caos para lá ficar para sempre. A destruição determinada pela economia está a alastrar como uma vaga de maré através do Brasil. À sua frente estão as densas florestas do cerrado ou as florestas tropicais da Amazónia; para trás estão as plantações de eucaliptos e as novas fazendas de gado, semeadas de ervas vindas do exterior, esvaziadas de animais nativos, e que fornecem carne para os mercados das cidades. Até onde a vaga alcança há desordem. O espaço entre as florestas antigas e a «civilização» é uma zona de batalha onde as velhas regras morreram e as novas regras ainda estão por entrar em vigor. À medida que o ecossistema nativo e as pessoas são extirpadas, os trabalhadores deslocados, mesmo os desempregados urbanos, ficam vulneráveis à escravização. As pessoas agarradas e forçadas a levar a cabo a destruição das florestas vivem sem electricidade, sem água corrente e sem comunicações com o mundo exterior. Estão completamente debaixo do controlo dos seus senhores. A vaga transporta consigo a escravidão. A terra que está pela frente ainda é explorável, a que fica para trás está nua e, quando toda a terra ficar nua, os escravos serão abandonados.

Temos tendência para descrever a destruição ambiental como enormes bulldozers a abrir caminho através das florestas primitivas, esmagando a vida sob o seu rasto de aço, destruindo a natureza para cobrir a terra de cimento. Na realidade, o processo é mais insidioso. Neste caso, as pessoas que vivem na floresta e dependem dela são geralmente aquelas que são forçadas a destruí-la. Árvore a árvore, as mãos dos escravos arrancam a vida da sua própria terra e preparam-na para um novo tipo de exploração. A escravidão do Brasil é uma escravidão temporária porque a destruição ambiental é temporária: uma floresta só pode ser arruinada uma vez, e não leva assim tanto tempo.

Por vezes a floresta é destruída quando dela se tira alguma coisa de valor; outras vezes a destruição não produz nada de valor. No Mato Grosso do Sul, ambas as coisas aconteceram. Há vinte e cinco anos, quando o cerrado foi limpo para dar lugar ao eucalipto, a madeira foi simplesmente empilhada e queimada. Hoje, quando a vaga final de destruição alastra pelo Mato Grosso, o cerrado e agora o eucalipto estão a ser de novo queimados — mas agora estão a ser transformados em dinheiro. A madeira é transformada em carvão, como aquele que nós usamos nos nossos churrascos. Este é um tipo especial de carvão, porque é feito manualmente, por escravos. Mas talvez não seja assim tão especial, afinal de contas — a escravatura tem uma longa história no Brasil.

«Um peito de ferro…»

Já vimos como a corrupção governamental anda de mãos dadas com a escravatura. No Brasil ela fomenta também a destruição ambiental. O advento das plantações de eucaliptos referidas no início deste capítulo era parte de um imenso esquema de fuga fiscal cozinhado nos anos 1970 pelo governo militar e pelas companhias multinacionais. As origens exactas do esquema perderam-se, mas a sua substância era clara: o governo permitia às grandes companhias e às corporações multinacionais a compra de terra federal, a um preço muito baixo, em parcelas de centenas de milhares de hectares. Se as companhias cortassem depois as florestas nativas e plantassem eucaliptos, o governo permitia-lhes que deduzissem o custo da terra e da replantação aos impostos :das corporações. Finalmente, os eucaliptos deviam ser cortados para alimentar uma fábrica de papel que o governo prometeu construir. Recebendo grandes extensões de terra numa bandeja, as grandes companhias — incluindo gigantes internacionais como a Nestlé e a Volkswagen — receberam depois mais de 175 milhões de dólares como isenção fiscal (Alison Sutton, Slavery in Brazil: A Link in the Chain of Modernisation (London: Anti-Slavery International, 1994), p. 34.).

Na década de 1990, a fábrica de papel continuava por construir, e muitos dos proprietários começaram a contratar firmas locais para limpar a terra e fazer carvão.

Quando um geólogo estudou as terras a norte do Rio de Janeiro no princípio do século XIX, disse que o país tinha «peito de ferro e coração de ouro». Esta região de ricos depósitos minerais tornou-se o estado de Minas Gerais. Hoje o estado é um centro mineiro e industrial que produz grandes quantidades de ferro e aço. Para fazer aço é preciso carvão. E as modernas indústrias do Brasil, quer fabriquem automóveis ou móveis, usam o aço produzido com o trabalho dos escravos. Muitas das fábricas e fundições são eficientes e modernas, mas o carvão que usam ainda vem das florestas derrubadas e das mãos dos escravos.

Depois de cortadas as florestas de Minas Gerais e do estado vizinho da Baía, foi preciso encontrar novas fontes de carvão; assim voltamos ao estado ocidental de Mato Grosso do Sul, a mais de mil e seiscentos quilómetros das siderurgias de Minas Gerais. À medida que a fronteira mudava para oeste, as estradas penetravam no cerrado, fornecendo caminho para acartar o carvão. E com milhões de hectares de bosque nativo ou de eucaliptos, fazer carvão é simultaneamente uma maneira rápida de espremer mais dinheiro da terra e de limpá-la para a criação de gado. O único ingrediente que falta nesta zona remota são os trabalhadores.

Há uma arte de fazer carvão; é uma habilidade que tem de ser aprendida e praticada para conseguir produzir carvão de boa qualidade. Com o desaparecimento das florestas nos seus estados natais, os trabalhadores do carvão concentraram-se nas cidades esperando encontrar trabalho. Descobriram, como milhões de outros trabalhadores deslocados no Brasil, que não havia trabalho. Famílias inteiras nas cidades do oeste oscilam à beira da fome: algumas vivem nas lixeiras rebuscando pedaços de metal para vender, outras pedem esmola e outras começaram a vender drogas. Essas famílias estão amarradas e dispostas a fazer tudo para dar comida aos filhos. Quando os recrutadores chegam às cidades de Minas Gerais prometendo bom trabalho com bom salário, elas pulam de contentes.

Segue: “Eles chegam com as suas belas palavras…”

1 Comentário »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Digo que estou impressionada!!
    Não tenho palavras……


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

site na WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: